9 de agosto de 2017

News TV, por Marcos Silvério - 09 Ago

> Notícias da TV, por MARCOS SILVÉRIO <


De Nuccio conquista a web na estreia no "JH"


Dony De Nuccio conquistou os corações dos internautas em sua estreia como âncora do “Jornal Hoje” ao lado de Sandra Annenberg. No Twitter, os fãs elogiaram a beleza do jornalista e o compararam com seu antecessor, Evaristo Costa.

“Esse Dony é tão bonito quanto o Evaristo, hein!”. “É o apresentador novo ou o Evaristo que voltou? Que gato”. “Que gracinha esse apresentador”, foram alguns dos comentários. Outros desejaram sorte: "Que você arrase, Dony". "Ele combina muito com a Sandra, boa sorte".

Na estreia, De Nuccio até deu um beijo em sua colega na abertura do telejornal. Segundo análise do colunista do UOL Maurício Stycer, "foi mais um gesto, entre outros, no esforço de mostrar aos fãs de que a saída de Evaristo Costa, parceiro de Sandra por mais de 13 anos, não vai afetar em nada o bom andamento do "JH".


Pouco depois de acabar o jornal, o âncora entrou ao vivo no "Vídeo Show" com Otaviano Costa e Joaquim Lopes, que o questionaram sobre a mudança de rotina. "Antes eu entrava às 16h quando apresentava o 'Jornal das 10'. Agora acordo às 8h e fico até às 15h, mas fui dormir 1h30 e acordei as 5h40", contou De Nuccio. Otaviano brincou se Sandra já havia pago almoço de boas-vindas a ele. "Ainda não almocei, vou descobrir daqui a pouco", respondeu, aos risos.

Dony De Nuccio, que foi editor de economia e apresentador do "Jornal das Dez", da Globo News, foi anunciado como substituto de Evaristo Costa no último dia 28 em primeira mão pelo colunista do UOL  Ricardo Feltrin.

A estreia de Dony de Nuccio na GloboNews e a ida para o "Jornal Hoje" têm semelhanças. Ele substituiu Eduardo Grillo no "Jornal das Dez", que pediu demissão do canal pago por razões pessoais. Já Evaristo deixou a Globo após 22 anos porque "precisa descansar", como falou em vídeo publicado nas redes sociais.

Fonte: UOL


Quem é Dony de Nuccio, o novo âncora do "JH"


Quem é Dony de Nuccio? Muita gente fez esta pergunta quando a Globo anunciou o jornalista de 33 anos como substituto de Evaristo Costa no "Jornal Hoje", nesta sexta-feira (28). O apresentador, que estava no canal pago GloboNews, tem uma história de vida curiosa e trocou de profissão para realizar o sonho de chegar à TV.

Para começar, Dony de Nuccio é o nome artístico de Adonay (que ele não gosta muito de divulgar), filho de Nora Rosa e Andrês de Nuccio, argentino que veio ao Brasil para fugir da ditadura no país natal. Formado em Psicologia, o pai do novo apresentador do "Jornal Hoje" pratica yoga desde os 14 anos e faz palestras em Campinas, interior de São Paulo, onde mora atualmente.

A estreia de Dony de Nuccio na GloboNews e a ida para o "Jornal Hoje" têm semelhanças. Ele substituiu Eduardo Grillo no "Jornal das Dez", que pediu demissão do canal pago por razões pessoais. Já Evaristo deixou a Globo após 22 anos porque "precisa descansar", como falou em vídeo publicado nas redes sociais.

Por falar em internet, não espere Dony de Nuccio tão brincalhão no Twitter como Evaristo. O novo apresentador do "Jornal Hoje" bloqueou seu perfil na rede social e publica fotos de trabalho em suas contas no Facebook e no Instagram.

Quando não aparece engravatado na web, Dony compartilha imagens de seu cachorro de estimação, Rocky, que inclusive tem perfil próprio no Instagram com mais 2,1 mil seguidores. Apaixonado por cães, o jornalista perdeu sua cachorrinha Eva há seis dias e a homenageou na web.

Sempre quis ser Bonner - Formado em Economia e Jornalismo, Dony de Nuccio estava confortável trabalhando no mercado financeiro, mas sempre almejou a TV. Fã de William Bonner, seguiu os passos do âncora do "Jornal Nacional" e estudou na ECA-USP (Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo).

Dony também fez cursos de locução e apresentação de telejornal antes de trocar seu emprego em um banco para se arriscar na Globo. Na emissora, foi repórter do "Bom Dia São Paulo", "SPTV" e "Jornal da Globo". Foi promovido a editor e comentarista de telejornais da Globo, como "Hora 1", e da GloboNews, até estrear como apresentador.

Em 2014, a revista "piauí" publicou um perfil do jornalista e revelou que "em seu vision board, De Nuccio enfileira imagens de pessoas que admira e coisas que ainda pretende conquistar. Estão lá Roberto Marinho, Paulo Coelho, Steve Jobs, um carro, um avião a jato, helicóptero, William Bonner, a bancada do 'Jornal Nacional', um torso masculino exageradamente musculoso, pilhas de dinheiro".

O jornalista deseja tanto alcançar Bonner que celebrou sua primeira aparição no "Jornal Nacional", há um mês. Foi apenas uma imagem dele apresentando o "Jornal das Dez", para ilustrar uma reportagem sobre a confiança dos brasileiros nos meios de comunicação, mas Dony comemorou como um troféu.

Dony também é sócio de uma empresa de produção de vídeos e eventos corporativos ao lado de Samy Dana, outro economista que aparece com frequência nos telejornais da Globo e da GloboNews.

Fonte: UOL


Evaristo Costa se 'queimou' com chefes na Globo


A notícia de que Evaristo Costa não irá renovar contrato com a Globo pegou muita gente de surpresa, exceto na cúpula da emissora. Entre alguns dos principais executivos do jornalismo da rede, aliás, a decisão nem foi lamentada. É que o apresentador do Jornal Hoje estava "queimado" com seus superiores.

Apesar de muito carismático e querido pelo público, Costa não é visto como um modelo de apresentador para a Globo. Internamente, é considerado desinteressado e limitado, que só sabe ler notícias, que não tem "conteúdo" e não se esforça para fazer outras atividades, como reportagens especiais.

Sua participação no próprio Jornal Hoje é considerada muito tímida. Ele não frequenta reuniões, não faz sugestões, não escreve uma única nota _só as manchetes que tem de ler. No baixo clero da Redação de São Paulo, tem fama de reclamão e de que nunca está disponível para nada.

Ex-repórter do Mais Você e moço do tempo, Evaristo Costa caiu em desgraça com a cúpula da Globo durante as eleições de 2014. No dia do primeiro turno, ele foi escalado para apresentar resultados das apurações nos Estados, numa cobertura ancorada por William Bonner ao longo de todo o domingo. Mas errou tanto que foi substituído por Ana Paula Araújo no segundo turno.

Na época, o coapresentador do Jornal Hoje foi duramente criticado nas reuniões de jornalistas da emissora, inclusive por Bonner. No ar, ele pareceu estar nervoso e se atrapalhou o tempo todo com o telão que projetava números das eleições.


Costa deitado no cenário do Fantástico: para muitos na Globo, a imagem 'perfeita'

Costa virou piada nas redes sociais ao dizer que os Estados do Acre e do Pará ficam no Nordeste. Chegou a ser interrompido por Bonner, que reclamou no ar que ele estava passando informações repetidas.

Hoje, confirmada a não-renovação do contrato do apresentador de 40 anos, muita gente na Globo especula que ele já não via muito futuro na emissora e decidiu sair por cima. Com quase 5 milhões de seguidores no Instagram, Costa não terá muita dificuldade para conseguir viabilizar um novo negócio enquanto viver no exterior (ele deverá se mudar com a família na Inglaterra). E não ficará desempregado se voltar ao Brasil.

Bolsa de apostas - Na Globo de São Paulo, a pergunta que não quer calar é o que acontecerá com a vaga de Evaristo Costa no Jornal Hoje. Alguns jornalistas defendem que ela será extinta, que Sandra Annenberg passará a apresentar o telejornal sozinha. Argumentam que isso é uma tendência, que já aconteceu com o Jornal da Globo quando Christiane Pelajo foi afastada, em outubro de 2015.

Uma outra ala especula que haverá uma dança de cadeiras. Atualmente no SP1, César Tralli é visto como favoritíssimo, mas não será surpresa se o escolhido for Rodrigo Bocardi (do Bom Dia São Paulo), Fernando Rocha (do Bem Estar), Roberto Kovalick ou algum profissional do sexo masculino atualmente em Brasília.

Caso o escolhido venha a ser Tralli, a especulação passa a ser sobre seu substituto no SP1. Bocardi seria o favorito, mas Kovalick, Fernando Rocha e até o repórter e apresentador do tempo Tiago Scheuer teriam chances. Pouca gente aposta numa apresentadora, como Gloria Vanique ou Michelle Barros.

Fonte: Notícias da TV


Carla Diaz volta à Globo em 'A força do querer'


Depois de encerrar seu contrato com a Record, Carla Diaz entrará em “A força do querer”, novela das 21h da Globo. Ela interpretará Carine, dona de um de cabeleireiro, e abalará a relação de Bibi (Juliana Paes) e Rubinho (Emílio Dantas).

Na trama, o traficante flertará com Carine no Morro Azul e deixará a filha de Aurora (Elizangela) enciumada.

Esta será a reedição da parceria da atriz com Gloria Perez, autora de "O clone", exibida entre 2001 e 2002. Na época, Carla fez muito sucesso com a personagem Khadija. O último trabalho dela na TV foi em "A Terra Prometida".

Fonte: O Globo


Carolina Ferraz é dispensada pela Globo


Atriz do primeiro time da Globo nos últimos 20 anos, desde que despontou em Por Amor (1997), Carolina Ferraz deixará o elenco da emissora em agosto, quando termina seu contrato. Futuramente, ela poderá voltar a trabalhar por obra certa, em que o vínculo dura apenas o período de gravações e de exibição da novela, minissérie ou seriado.

Exclusiva da Globo desde 1992, Carolina é mais uma "vítima" da nova política de banco de talentos da rede, que prioriza manter sob contratos de longo prazo apenas os atores que são constantemente escalados ou que seus executivos não admitem deixar disponíveis para a Record, como Fernanda Montenegro, Cauã Reymond e Mariana Ximenes, entre centenas de outros.

Desde 2015, quando a crise econômica se agravou, dezenas de atores renomados como Carolina Ferraz deixaram de ter contratos de longos com a Globo. Foram os casos, por exemplo, de Maitê Proença, Pedro Paulo Rangel, Pedro Cardoso, Guta Stresser, Priscila Fantin e André Gonçalves.

Isso criou um maior trânsito de profissionais da interpretação entre a Globo e a Record. Joana Fomm, que iria fazer a próxima novela de Aguinaldo Silva, em 2018, acaba de fechar contrato (por obra) com a rede de Edir Macedo para atuar em Apocalipse. Mesmo destino teve Selma Egrei, que brilhou em Velho Chico (2016).

Carolina Ferraz foi contratada pela primeira vez pela Globo há 25 anos, para ser uma das apresentadoras do Fantástico, após passagem pela Manchete. No ano seguinte, estreou nas novelas da emissora, em O Mapa da Mina.

A atriz teve papéis centrais em Pátria Minha (1994) e História de Amor (1995), mas foi em Por Amor que ganhou um novo status. Sua parceria com Du Moscovis na novela de Manoel Carlos deu tão certo que os dois foram escalados para protagonizarem Pecado Capital (1998).

Carolina praticamente atuou em uma novela por ano no início da década passada e voltou a fazer muito sucesso em Belíssima (2005), como uma dona de agência de modelos. Depois de um período sabático, bombou de novo em Beleza Pura (2008). Sua vilã Norma Gusmão emplacou um bordão que até hoje é lembrado nas redes sociais: "Eu sou rica!".

Carolina voltou a ser protagonista em 2011, no remake de O Astro. No ano seguinte, integrou o núcleo cômico de Avenida Brasil. Sua última novela na Globo foi Haja Coração, encerrada no início de novembro passado.

Fonte: Notícias da TV


Silvio de Abreu quer remake de “Éramos Seis”


Em entrevista ao programa “Donos da História”, do canal Viva, Silvio de Abreu revelou que tem planos de promover um “remake” de “Éramos Seis”. A novela que escreveu em parceria com Rubens Ewald já teve duas versões, uma na Tupi (1977) e outra no SBT (1994).

“Acho que é uma história sempre atual”, diz Abreu, que vendeu os direitos da novela para a Globo em 2010. Hoje diretor de Teledramaturgia diária da emissora, ele tem o poder de decidir quais projetos vão ao ar.

Ao canal Viva, Abreu se recorda do sucesso das duas versões. “Vendemos a novela para o SBT, ela foi refeita e deu o mesmo resultado de audiência – os mesmos 25 pontos em 1977, também deu em 1994″.

Se vingar, este será o terceiro remake recente de uma novela de Silvio de Abreu. Ele próprio escreveu a nova versão de “Guerra dos Sexos” (1983), exibida em 2012, e delegou a Daniel Ortiz, seu antigo colaborador, a tarefa de refazer “Sassaricando” (1987), exibida com o título de “Haja Coração” em 2016.

Baseado no romance de Maria José Dupré, a versão de “Éramos Seis” realizada pelo SBT contou com Irene Ravache e Othon Bastos nos papéis principais. Na primeira versão, na Tupi, os protagonistas foram Nicette Bruno e Gianfrancesco Guarnieri.

O programa “Os Donos da História” é exibido aos domingos, às 18h30.

Fonte: UOL


Jayme Matarazzo será vilão em "Tempo de Amar"


Jayme Matarazzo começou a gravar cenas de seu primeiro vilão na TV. Ele será o rejeitado e ambicioso Fernão em Tempo de Amar, novela que substituirá Novo Mundo na Globo. Com vários personagens do "bem" no currículo, o ator está entusiasmado por interpretar um antagonista e fazer maldades com os mocinhos da história.

"Estou feliz com a oportunidade de fazer um personagem com uma levada um pouco diferente dos meus últimos trabalhos. Acho que o Fernão pode se enquadrar num lugar de vilão, mas ele é um vilão com atitudes cometidas por amor e pela rejeição", adianta o ator.

Ele viajou na semana passada para Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, para gravar suas primeiras cenas. Na novela de Alcides Nogueira e Bia Corrêa do Lago, o personagem de Jayminho (como o ator é chamado por todos) vai estudar medicina em Coimbra, mas pretende se casar com a mocinha Maria Vitória (Vitória Strada).

Ainda menina, ela foi prometida em casamento a Fernão por seu pai, o produtor de vinhos bem-sucedido José Augusto.

"É um menino nascido em berço de ouro, filho do maior médico da cidade, sempre teve tudo na vida, mas vê a família aos poucos numa decrescente. Sabe que o pai não o deixará com toda a fortuna que imaginava. Então ele, como muitas pessoas naquela época, visa um casamento por conveniência, uma junção de famílias, aqueles casamentos arranjados", conta Jayminho.

Só que Maria Vitória se apaixonará por Inácio Ramos (Bruno Cabrerizo) à primeira vista, no meio de uma procissão em Portugal, em 1927. A jovem engravidará e será enviada para ter seu bebê escondida em um convento. A filha de Maria Vitória nascerá e será entregue à adoção, enquanto Inácio estará no Rio de Janeiro trabalhando.

Fernão será capaz de qualquer coisa, avisa Jayminho. "Ele considera esse rapaz muito inferior a ele. Essa rejeição vai provocar um impacto enorme no Fernão, que não vai lidar bem com o fato de ser deixado de lado", diz.

Tempo de Amar é dirigida pelo pai do ator, Jayme Monjardim, que estava afastado das tramas há dois anos. À frente da produção de Sete Vidas (2015), Monjardim foi diagnosticado com câncer na próstata e teve de ser operado.

A novela traz dois novatos como protagonistas, Vitória Strada e Bruno Cabrerizo. Estão no elenco Regina Duarte, Tony Ramos, Letícia Sabatella, Andreia Horta, Henri Castelli, Nívea Maria, Cassio Gabus Mendes, Marisa Orth e Deborah Evelyn, entre outros. A estreia está prevista para 20 de setembro.

Fonte: Notícias da TV


Globo recebe indicações ao Emmy de Jornalismo                                       


A Globo está festejando mais duas indicações ao Emmy Internacional. Em 16 anos de premiação, já são 18 citações no "Oscar" da TV mundial.

Nesta segunda-feira (7), a Academia Internacional de Televisão anunciou os finalistas das categorias Notícias e Atualidade na lista de jornalismo em 2017, e nas duas a emissora brasileira esteve presente.

O "Jornal Nacional" ganhou uma indicação na categoria Notícia, pela cobertura do escândalo envolvendo o nadador americano Ryan Lochte, que mentiu dizendo ter sofrido um assalto durante a Olimpíada do Rio, no ano passado.

Já em Atualidades, o "Globo Repórter" foi indicado pelo programa "Arte como passaporte", que mostrou como a arte pode transformar a vida dos jovens das comunidades pobres.

A Globo disputa com emissoras de Israel, Malásia, Filipinas, Suécia e Reino Unido.

Os vencedores serão anunciados no dia 5 de outubro em Nova York.

Fonte: Na Telinha


"Jornal da Cultura" ganha plateia e conteúdo extra na web


O "Jornal da Cultura", desde a última quarta-feira (2), passou a contar com plateia e 30 minutos extras para o YouTube neste dia da semana.

Composta por estudantes, funcionários de empresas e telespectadores previamente inscritos, a plateia terá participação ativa no "JC+", um bônus realizado para o YouTube depois do telejornal.

Os integrantes podem fazer interagir com os comentaristas, com perguntas escolhidas pelos espectadores nas redes sociais da TV Cultura.

Na área da inovação, o programa também passa a ser transmitido diariamente no Facebook pela página Jornalismo TV Cultura, com participações constantes do internauta, seja pelos tweets ou vídeos mandados. Tudo transmitido no telão.

Fonte: Na Telinha


Bispo censura série do jornalismo na Record


Quando você acha que já viu tudo e nada mais tem para acontecer, vem a Record com mais uma daquelas, próprias de quem mistura televisão com igreja.

Programada para entrar em exibição nesta segunda-feira (7), a série "Novo Pai", provocou um verdadeiro pandemônio na redação do "Jornal da Record".

Ao assistir, no ar, a chamada da série, um dos bispos de plantão não aprovou a maioria dos temas propostos e ordenou mudanças imediatas, principalmente em assuntos ligados a pais solteiros e separados. Filhos de casais homossexuais, então, nem pensar. Só poderá ir ao ar, segundo instruções dadas, o que faz prevalecer o conceito "Família".

A equipe do "JR", evidentemente, entrou no mais completo parafuso. Como mudar, em poucas horas, todo o trabalho desenvolvido ao longo de dias, movimentando algumas das suas mais diferentes equipes?

Só para a elaboração desta série foram acionados vários repórteres, como Rodrigo Vianna, Emerson Ramos, Luiz Gustavo, Sylvestre Serrano e Lucio Sturm, além de produtores, editores etc.

A "tesourada" da igreja, mais uma vez, se faz presente nos assuntos do jornalismo.

Consultada, a Record não respondeu.

Fonte: Flávio Ricco


Globosat lançará novo canal infantil


Depois de consolidar o Gloob como um canal competitivo na programação infantil, a Globosat anuncia mais um que comporá o quesito.

Trata-se do Gloobinho, que chega para oferecer conteúdo para crianças na pré-escola e atender a oferta da unidade juntamente com o Gloob. A estreia está agendada para outubro, e até o momento, somente a Sky terá em seu line-up.

O Gloob foi lançado há cinco anos, e é destinado ao público entre 6 e 9 anos. O Gloobinho trará produções brasileiras e internacionais.

Além disso, o novo canal da Globosat terá também atrações desenvolvidas especialmente para a faixa etária entre 2 e 5 anos, com narrativas e temáticas adequadas para os pequenos.

Fonte: Na Telinha


Carol Duarte revela sua cena mais difícil


Carol Duarte falou que a cena da primeira noite de amor de Ivana foi uma das mais difíceis de serem gravadas. A personagem transou com Claudio (Gabriel Stauffer) no capítulo de "A Força do Querer", exibido na noite de terça-feira (25).

"Essa cena foi uma das mais difíceis nesse trabalho todo, essa sequência toda não foi fácil. O Claudio é uma pessoa que ela gosta muito, e acho que ela confiou esse momento a ele para ver se entende própria vida dela", contou, ao participar ao vivo do "Video Show", nesta quarta.

"Tem muitas coisas envolvidas. A Ivana está nessa busca de saber quem ela é, tirar essas angústias todas. Eu acho que ela tinha expectativa [de como seria a primeira vez]. A Simone (Juliana Paiva), melhor amiga dela, falou tanto disso e não rolou, não foi como ela achava que ia ser. Ela foi honesta, não consegue enganar o Claudio", defendeu.


Torcida - A atriz também falou que apoia a vontade dos telespectadores e torce pela união de Ivana e Cláudio: "A galera está querendo e eu também, quero muito que eles fiquem juntos. Fico ansiosíssima sobre o que vai acontecer, estou nessa ansiedade com o público".

Carol Duarte sugeriu que o drama de Ivana seja discutido pelas famílias: "Ando recebendo mensagens e fico muito feliz, tem muita gente que vive isso e a gente não fala. Que as famílias falem com seus filhos sobre a questão, porque quando a gente se fecha, fica mais difícil, mas quando você vê que outras pessoas vivem o mesmo que você, ajuda".

Ela espera que a abordagem contribua para diminuir as agressões que os LGBTs sofrem: "A violência que essas pessoas sofrem na rua é extremamente incabível, inadmissível. O respeito precisa existir. A gente vê exemplos de pessoas sendo agredidas de forma brutal, a luta é para que isso acabe".

Carol contou que leva um pouco de Ivana para casa após o "corta" do diretor: "É inevitável que o ator, quando tem uma personagem desse tipo, não seja atingido, que eu não tenha vestígios em mim quando termina a gravação. É um mergulho muito intenso. Como atriz, não é fácil, mas quando vejo que as pessoas se emocionam fico super feliz. Sou atriz para isso".

Fonte: UOL


Astro mirim batalha por nova chance na TV


Há exatos dez anos, em 7 de agosto de 2007, a Globo estreava a série Toma Lá Dá Cá (2007-2009). Na época com 14 anos, o ator Daniel Torres, que interpretava Adônis, foi alçado ao estrelato do dia para a noite. Depois de outras cinco temporadas como o Alessanderson de Pé na Cova (2013-2016), Torres agora batalha para ter novas oportunidades na TV: "É um meio difícil, você precisa lidar com muita rejeição".

Aos 24 anos, o ator não é nenhum novato na profissão: antes das duas séries, estreou na TV como protagonista do especial de fim de ano O Pequeno Alquimista (2004). Na sequência, emendou um papel na novela A Lua Me Disse (2005), escrita por Miguel Falabella. Iniciou ali mesmo sua parceria com o ator, autor e diretor.

"Eu tive uma situação um pouco atípica, porque o Miguel gostou de mim na novela e me chamou para o Toma Lá e, depois, para Aquele Beijo [2011]. Mas, antes de conseguir o papel no Pequeno Alquimista, eu tive de fazer muito teste, já ouvi muito 'não'. Não é uma carreira fácil, especialmente para alguém tão novo", conta.

Afastado da TV desde o fim do Pé na Cova, há mais de um ano, Torres aproveita o diploma da faculdade de cinema para se aventurar em outras áreas. "Estou ajudando um amigo com a edição de um clipe, me aprimorando para ser assistente de direção. Também quero escrever roteiros, mas preciso estudar muito para isso (risos)", arrisca.

A vontade de estar também atrás das câmeras não é nova: desde a época do Toma Lá, o jovem ator já demonstrava uma curiosidade natural para entender como funcionavam os bastidores da produção.

"Eu perguntava muito, mexia nas câmeras, queria saber tudo. Acho que, seja como ator, roteirista ou diretor, você está apresentando uma história ali. E eu sei que gosto mesmo é de contar histórias".


Trabalho duro - A experiência de atuar no Toma Lá Dá Cá foi puxada. Como estava em idade escolar, Daniel precisava aliar os estudos com o trabalho. "Era um programa com formato diferente, que tinha plateia, e eu estava ao lado de atores incríveis, então tive que dar muito duro. O Adônis foi um personagem que exigiu muito de mim", lembra.

Porém, como o caçula do elenco, o ator também tinha regalias. "Acho que eu recebia um carinho especial dos outros atores por ser o mais novinho. A Arlete Salles, por exemplo, era maravilhosa comigo. E, como ela vivia uma avó moderna, toda jovial, me pedia dicas de algumas gírias e gestos para fazer", diz.

Lidar com o público, porém, era diferente. Apesar de gostar de receber o retorno dos fãs, o sucesso repentino forçou o ator a mudar alguns hábitos: "Era legal, mas de certa forma assustador. Comecei a ser reconhecido em todos os lugares. Aí, parei de frequentar praias lotadas, evitava grandes aglomerações. Queria ter um pouco de sossego para mim e para minha família".

Agora, com a reprise da série no canal pago Viva, Daniel tem a oportunidade de se lembrar do trabalho. "É curioso, eu gosto de ver porque já esqueci todas as piadas, vejo como um leigo. Chego em casa, minha mãe está vendo, aí sento do lado e começo a rir", diz ele.

O ator confessa que não gosta muito do seu visual na série: "Eu era muito magrinho, né? É meu único problema com a série. Mas acho que o visual funcionava para a proposta do personagem".

Dez anos depois, Torres diz que perdeu a amizade com os companheiros de elenco. "Cada um segue com sua vida, o contato vai se perdendo. Mas esse mundo é um ovo, então sempre encontro a Marisa Orth, a Fernandinha [Souza], o George [Sauma]. A Arlete já vi em eventos por acaso e é sempre muito carinhosa. Com o Miguel falo de vez em quando, mas ele está sempre na correria, com muitos projetos", explica.

Fonte: Na Telinha


Deborah Secco confessa que traiu todos os namorados


Deborah Secco fez confissões sobre seus antigos relacionamentos em entrevista ao jornalista Leo Dias no programa Fofocalizando. Questionada se já levou 'chute na bunda', ela contou que nunca foi dispensada por um homem. "Não, nunca. Eu sempre dei. Nunca tive uma pessoa que tenha terminado comigo. O dia que eu termino é quando a pessoa não significa mais nada pra mim, nem bom nem ruim", contou.

Pertuntada se perdoaria traição ela surpreendeu. "Depende do contexto, do tipo da pessoa, o tipo de relação a que eu me propus. Traí todos os meus ex, menos o Hugo", confessou, referindo-se a Hugo Moura, seu marido, com quem tem uma filha, Maria Flor. "Não posso cobrar as pessoas o que não dou. Nunca fui uma pessoa tadinha que perdoa, eu pondero muito as coisas e não sou hipócrita", disse.

Ela contou também que não nunca tentou ter filho com seus ex-namorados por considerar que tinham "princípios diferentes".

Na lista de ex-relacionamentos de Deborah estão o diretor Rogério Gomes (Papinha), Maurício Mattar, o ator Marcelo Faria, o cantor Falcão, e o ex-jogador Roger Flores.

Deborah e Hugo se casaram em dezembro de 2015, mesmo mês do nascimento de Maria Flor.

Fonte: UOL


As novelas e os 11 anos da Lei Maria da Penha


Marcos e Raquel na novela "Mulheres Apaixonadas" em 2003

Em 7 de agosto de 2006, foi sancionada a lei Maria da Penha, normalmente aplicada aos homens que agridem fisicamente ou psicologicamente à sua esposa ou qualquer outra mulher.

Na ficção, diversas mulheres já sofreram violência doméstica.

Pensando na data, listamos sete casos de personagens que poderiam muito bem fazer uso da lei Maria da Penha após sofrerem nas mãos do marido.

Passados estes onze anos, o tema da violência doméstica continua mais atual do que nunca. Praticamente a cada minuto uma mulher sofre algum tipo de violência no Brasil, segundo as pesquisas especializadas. E por mais que o tema seja explorado, ainda é pouco diante da brutalidade do machismo.

Confira:


Rita e Cigano - Atualmente em cartaz no "Vale a Pena Ver de Novo", Rita (Adriana Lessa) vivia roxa em "Senhora do Destino" (2004).

Cigano (Roney Marruda), um criminoso com passagens pela polícia, vivia ameaçando a mulher, com um ciúme doentio.

Constantino (Nuno Mello), taxista apaixonado por Rita, sempre tentou livrá-la do agressor, mas também teve problemas.


Gui e Caco - Na novela "Pé na Jaca" (2006), Juliana Paes interpretou Gui e apanhava de seu marido, vivido por Alexandre Schumacher.

No final das contas, o rapaz acabou morrendo, e como se não bastasse tudo, ainda foi acusada de matá-lo para ficar com seu dinheiro.


Catarina e Léo - Há nove anos, em "A Favorita", de João Emanuel Carneiro, mais um caso de violência doméstica.

O chucro e machista Léo, vivido por Jackson Antunes, não media consequências e agredia por diversas vezes a mulher, Catarina, interpretada por Lilia Cabral.

Em dada cena, cansada de tantas humilhações, Catarina tratou de dar um tabefe na cara do marido, umas das grandes cenas da trama.


Dália e Ronildo - Entre 2007 e 2008, quem diria, Rodrigo Hilbert, o "homão da p..." fazia papel de agressor na novela "Duas Caras".

Na novela, Dália, interpretada por Leona Cavalli, era viciada em drogas e apanhava do marido Ronildo, além de ser mantida em cativeiro por ele.


Sônia e Clóvis - Em "Profeta", muita gente pegou ódio de Dalton Vigh por interpretar Clóvis.

Clóvis violentava Sônia, vivida por Paolla Oliveira, e chegou a deixá-la presa em cativeiro e até deixou a esposa num quarto sem refeições.


Celeste e Baltazar - O Comendador José Alfredo de "Império" (Alexandre Nero) e o Rômulo de "A Regra do Jogo" também já maltratou sua parceira.

Ele maltratava Celeste, vivida por Dira Paes na novela "Fina Estampa", de 2011.


Raquel e Marcos - Uma das violências domésticas mais emblemáticas da história da dramaturgia brasileira.

Marcos (Dan Stulbach) e Raquel (Helena Ranaldi) na novela "Mulheres Apaixonadas", de 2003, de Manoel Carlos.

Marcos era extremamente ciumento e agressivo com Raquel. As surras que dava com uma raquete de tênis nunca foram esquecidas.

O tema, e as cenas, ganharam grande repercussão na época, e o ator é lembrado até hoje pelo papel, que causou o ódio dos telespectadores.

Com informações do Na Telinha

______

Ficamos por aqui, de olho na telinha.

Twitter: @bysilver_br
Oferecimento:
Arte Final Gráfica (62) 3225-2847
Goiânia Hostel – Albergue – www.goianiahostel.com

-

22 de julho de 2017

News TV, por Marcos Silvério - 22 Jul

> Notícias da TV, por MARCOS SILVÉRIO <


Globo inverte novelas na fila das 21 horas


A TV Globo decidiu promover uma mudança na ordem de exibição de suas próximas novelas das 21 horas.

O quadro a seguir é oficial: atualmente no ar, temos “A Força do Querer”, novela de Glória Perez, com direção artística de Rogério Gomes, o Papinha. Na sequência, “O Outro Lado do Paraíso”, de Carrasco.

O mesmo diretor e equipe de "A Força do Querer" estavam previstos para a produção de Aguinaldo Silva, “O Sétimo Guardião”, programada para estrear em maio de 2018.

Para isso, os trabalhos teriam que começar nos próximos meses, e, portanto, a equipe praticamente emendaria duas novelas. Para dar férias aos profissionais, a emissora decidiu antecipar a trama de João Emanuel Carneiro, que será dirigida por Dennis Carvalho.

Assim, depois de “A Força do Querer”, estreia “O Outro Lado do Paraíso”. E em seguida, a história de João Emanuel Carneiro, e, somente após, a trama de Aguinaldo Silva.

Em nenhum momento, a Globo colocou como motivo para essa mudança a polêmica de direitos autorais que envolveu recentemente esta nova novela do Aguinaldo e participantes do curso Master Class, comandado por ele. Alunos do curso de roteiristas estariam insatisfeitos com o contrato de cessão de direitos e ameaçavam levar o caso para a Justiça. O autor, porém, se encarregou de solicitar a todos os participantes a cessão de direitos, mas a emissora, pelo menos até agora, nunca afirmou ter recebido esses documentos.

De qualquer forma, oficialmente, a troca vai acontecer para dar o devido tempo de descanso para a equipe de Rogério Gomes. A coluna não conseguiu falar com Aguinaldo, porque ele se encontra em Portugal e só deve voltar ao Brasil no dia 25.

É provável que boa parte do elenco de "O Sétimo Guardião", agora, seja colocada à disposição da novela de Carneiro - ele passa a ter prioridade. No caso, nomes como Cauã Reymond, Marina Ruy Barbosa, Renata Sorrah, Chay Suede, Humberto Martins e Lília Cabral.

Já se sabe que a próxima novela de Carneiro será ambientada em Salvador, com suas primeiras cenas na Ilha de Boipeba. O autor disse que, desta vez, vai evitar temas mais pesados e, portanto, não desenvolverá mais suas histórias em núcleos como favelas.

Fonte: Flávio Ricco


"O Sétimo Guardião" é a maior aposta da Globo


Inicialmente envolvida em uma polêmica sobre cessão de direitos autorais, com alguns alunos da oficina de roteiristas ministrada pelo autor Aguinaldo Silva em 2015, a novela "O Sétimo Guardião", prevista para estrear em maio do próximo ano, será a maior aposta da Globo desde "Avenida Brasil", para recuperar a audiência perdida na faixa das 21h nos últimos cinco anos.

Segundo fontes, a sinopse da trama foi aprovada pela emissora sem ressalvas e sua história empolgou os diretores, que passaram a considerá-la capaz de marcar médias superiores a 40 pontos de audiência na Grande SP, como "Avenida Brasil", de João Manuel Carneiro, em 2012.

A novela das nove na Globo é o produto de maior valor comercial na programação da televisão brasileira e tem uma função importante na estratégia de grade da emissora. Confira a média de audiência dos últimos cinco anos da faixa:

“Avenida Brasil" - 39 pontos
"Salve Jorge" - 34 pontos
"Amor à Vida" - 36 pontos
"Em Família"- 30 pontos
"Império" - 33 pontos
"Babilônia" - 25 pontos
"A Regra do Jogo" - 28 pontos
"Velho Chico" - 29 pontos
"A Lei do Amor" - 27 pontos

A atual "A Força do Querer", atualmente em sua 14ª semana, vem encerrando essa tendência de queda e agradando a emissora, com 32 de média até o momento, mas ainda longe dos sonhados 40 pontos.

Ainda de acordo com informações obtidas, o potencial de "O Sétimo Guardião" pesou na decisão da Globo quando a emissora deu um prazo de 15 dias para o autor resolver juridicamente a cessão da autoria da novela, após matéria publicada pelo NaTelinha. Ele conseguiu se acertar com os ex-alunos e todos assinaram um novo termo, liberando enfim a produção.

Apostando no realismo fantástico, a novela de Aguinaldo Silva contará a história da cidade fictícia de Serro Azul e seus mistérios. Nem todos os guardiões, que serão identificados na trama através de uma marca na pele, saberão que possuem a missão de proteger a pequena cidade.

O autor já garantiu que pretende retornar com a vilã de "Senhora do Destino", Nazaré Tedesco, mas não revela de que forma a personagem surgirá em "O Sétimo Guardião".

A Globo contratou uma equipe especialmente para cuidar dos efeitos especiais da nova trama das nove e praticamente todo elenco já esta escalado, entre eles Lília Cabral, Luana Piovanni, Cauã Reymond e Renata Sorrah.

"O Sétimo Guardião" terá direção de Rogério Gomes e substituirá "O Outro Lado do Paraíso", história de Walcyr Carrasco que virá na sequência de "A Força do Querer", no final de outubro.

Fonte: Na Telinha


Os segredos da reta final de "A Força do Querer"


Com o último capítulo previsto para 20 de outubro, A Força do Querer tem três meses de trama pela frente para desmascarar a vilã Irene (Débora Falabella), detonar os segredos de Ritinha (Isis Valverde), mostrar a transição de gênero de Ivana (Carol Duarte), aproximar o novo casal Caio (Rodrigo Lombardi) e Jeiza (Paolla Oliveira) e ainda fazer Bibi (Juliana Paes) ir ao céu e ao inferno no submundo do crime. As reviravoltas na novela de Gloria Perez começarão já na próxima semana.

Para não perder o "gás", a autora promoverá a entrada de novos personagens. Os primeiros são Mere Star (Fafá de Belém), Garcia (Othon Bastos) e Elvira (Betty Faria). Depois, Leandro surgirá para estremecer a vida de Joyce (Maria Fernanda Cândido). O intérprete para o papel será anunciado nos próximos dias.

A novela dará uma "chacoalhada" na vida de alguns personagens com a vingança de Bibi e Rubinho (Emílio Dantas) contra Jeiza. Zeca (Marco Pigossi) é quem pagará o pato. Ele será preso por tráfico de drogas e irá parar na mesma penitenciária em que o ex-garçom está. Depois de alguns dias atrás das grades, ele será solto, mas um cúmplice do traficante afirmará que o caminhoneiro faz parte da quadrilha e complicará sua situação com a polícia.

Zeca com Ritinha, e Jeiza com Caio - Ritinha mostrará seus encantos de "sereia" e mexerá com a cabeça de Zeca. Ela correrá atrás do ex-marido para não ir parar na cadeia por bigamia. Após beijá-la, Zeca pensará em desistir de acionar a filha de Edinalva (Zezé Polessa) na Justiça por estar casada com ele e Ruy (Fiuk). Os dois vão se reaproximar quando Jeiza estiver nos Estados Unidos, prestes a realizar o sonho de ganhar o cinturão no MMA.

Já Leila (Lucy Ramos) vai se separar de Caio após ver que o casamento deles não tem "liga". O advogado se decepcionará e desistirá de vez de Bibi ao descobrir que ela foi capaz de incendiar o restaurante em que Rubinho (Emílio Dantas) trabalhava.


Mentiras de Ritinha (Isis Valverde) vão vir à tona em breve: paternidade de filho e bigamia

Solteiro, o irmão de Heleninha (Totia Meirelles) vai se encantar com Jeiza e se unirá a ela para colocar o ex-garçom atrás das grades. O entrosamento do advogado com a policial vai despertar também ciúme em Zeca.

Joyce dá a volta por cima - Nos próximos passos, acontecerá a queda da vilã Irene (Débora Falabella). Ela perderá o "poder" sobre Eugênio (Dan Stulbach), que se reconciliará com Joyce (Maria Fernanda Cândido). Mesmo correndo o risco de ser presa por matar e roubar o ex-marido de Elvira (Betty Faria), a arquiteta ficará descontrolada ao perceber que perdeu o jogo para a dondoca.

Antes de Joyce reatar com o ex-marido, a mãe de Ruy conhecerá Leandro, terá alguns encontros românticos e será pedida em casamento. Além de virar do avesso esses dois triângulos amorosos, Gloria Perez dará contornos polêmicos a outras histórias, como é o caso de Ivana (Carol Duarte). Ela assumirá a transição de gênero para família e enfrentará a rejeição de Cláudio (Gabriel Stauffer).

Já Bibi seguirá sua saga criminosa. Apontada como autora do incêndio no restaurante de Dantas (Edson Celulari), ela virará foragida da polícia. No morro, juntamente com Rubinho, vai construir um império.

No entanto, Caio vai assumir a secretaria de Segurança e declarará guerra aos chefes do tráfico de drogas. Começará, então, a caçada a Rubinho e Bibi. A filha de Aurora (Elizângela) passará a ser chamada de "perigosa" na trama. Traficantes vão apelidar a morena assim pelas fotos que ela vai tirar com fuzil na mão e também por colocar para correr qualquer mulher que se aproximar de seu marido na comunidade.


Joyce (Maria Fernanda Cândido) será pedida em casamento por novo personagem da trama

Paternidade e crise de abstinênciaDe volta à novela, Cibele (Bruna Linzmeyer) terá de dar um novo sentido à sua vida quando provar que Ruy (Fiuk) não é o pai do filho de Ritinha. Ela conseguirá fazer um exame de DNA em Ruyzinho e entregará o resultado ao ex-noivo. Cibele tentará consertar a partir daí os erros que cometeu em nome da sua vingança.

Outra trama que vai ter um novo viés é a de Silvana (Lilia Cabral). Após correr risco de vida e quase virar prisioneira de criminosos por causa de uma dívida acumulada no jogo, ela abandonará o vício em carteado.

Sem jogar, a mãe de Simone (Juliana Paiva) ficará deprimida e sofrerá de abstinência. Nonato (Silvero Pereira) será o primeiro a apontar que a jogadora compulsiva precisa de ajuda para enfrentar essa barra.

Fonte: Notícias da TV


Trama secundária rende recorde para "A Força"


Na terça-feira (18/07), “A Força do Querer” bateu seu recorde de audiência: 38,3 pontos no Ibope da Grande São Paulo. Anteriormente, a novela havia alcançado 38 pontos no capítulo de 20/06, em que Bibi (Juliana Paes) incendiou um escritório.

O curioso desse novo recorde é que a novela fisgou o público por conta de uma trama paralela que nada tem a ver com a história central, de Bibi. E pior: uma batidíssima trama de traição, que a autora Glória Perez requentou de novelas anteriores. E não havia nenhum segredo ou mistério para o telespectador. O público se reuniu à frente da TV simplesmente para ver algo que sabia que ia acontecer: Joice (Maria Fernanda Cândido) descobrir que a amante de seu marido Eugênio (Dan Stulbach) é a (falsa) amiga Irene (Débora Falabella).

Será que o público gosta mesmo é de ver as histórias que já viu um milhão de vezes e que sabe como vão terminar?

A julgar pelos títulos atualmente no ar, o bom e velho folhetim, batido ou nem tanto, ainda é uma fórmula que funciona. Vide os bons números na audiência das novelas atuais e a pouca novidade neste cenário. Mas nem sempre o folhetim batido é garantia de sucesso. “A Lei do Amor” é um exemplo de novela tradicional que, no afã de atirar para todos os lados, se perdeu em uma sucessão de erros. “A Força do Querer” não apresenta nenhuma inovação. Todavia, Glória Perez é feliz ao apresentar fórmulas batidas de folhetim em uma trama atual, moderna. Sua novela é um verdadeiro sopro no formato, provando que velhas fórmulas ainda rendem desde que bem dosadas e acompanhadas de elementos em ressonância com a atualidade.

A trama de Bibi Perigosa (Juliana Paes) mais a discussão de gênero são pautas da sociedade moderna abraçadas pela velha telenovela. Ainda assim, “A Força do Querer” não abandona elementos conhecidos do público, vistos no triângulo Zeca-Ritinha-Ruy (Marco Pigossi, Ísis Valverde e Fiuk) e Joice-Eugênio-Irene. Já vimos essas histórias antes, contadas das mais variadas formas. A trama da traição já foi mostrada pela autora em novelas anteriores: Clarisse-Escobar-Alicinha (Cissa Guimarães, Marcos Frota, e Cristiana Oliveira em “O Clone”) e Silvia-Raul-Yvone (Débora Bloch, Alexandre Borges e Letícia Sabatella em “Caminho das Índias”).

Janete Clair dizia que “novela é um novelo que se desfaz aos poucos”. É assim que Glória Perez tem trabalhado “A Força do Querer”. Uma trama bem desenvolvida, que toca o público, aliada a uma direção afinada com a proposta da autora, mais o elenco bem dirigido – uma boa fórmula de sucesso. O drama de Joice e Eugênio vem sendo contado de maneira magistral desde o início tendo o público por testemunha. O clímax causa a catarse.

Fonte: UOL


Aguinaldo Silva planeja aposentadoria


Aguinaldo Silva tem planos de se aposentar do universo das novelas. O autor da Globo afirmou ao blog VEJA Gente que pretende escrever mais dois folhetins, já previstos em contratos com a emissora carioca – e depois vai se dedicar a trabalhos menos pesados. “Escrever novela não é apenas um trabalho mental – é também físico. A partir de uma certa idade, ficar diante de um computador até dez horas por dia durante oito meses é uma tarefa dolorosa. Acabei de fazer 74 anos”, diz.

O escritor conta que desde sua última novela exibida na Globo, Império, em 2014, sente os efeitos desse esforço. “Já em Império notei, com certo temor, que ao fim de cada dia de trabalho meus pés estavam inchados. Minha mãe costumava dizer que ‘pé inchado é coisa de pobre’, mas esta minha experiência pessoal comprovou que isso não era verdade”, afirma, com seu costumeiro bom humor.

Aguinaldo ainda brinca, afirmando que o que recebe de aposentadoria como jornalista é o suficiente para viver. “Recebo todos os meses do INSS a quantia de 1.820,37 reais. Assim, não terei problema em parar de escrever novelas. Já fiz as contas e concluí que dá muito bem para viver com o que já recebo como aposentado.”

Falando sério, ele diz que séries curtas, com no máximo quinze episódios por temporada, podem ser sua próxima tarefa. “Não pretendo parar de escrever – tenho a veleidade de achar que, se o fizesse, ficaria gagá em pouco tempo.” O autor conta que é viciado em seriados, e assiste a dois episódios por dia, em geral. Terminou recentemente de ver a quarta temporada de Ray Donovan, de qualidade comparável a Breaking Bad, segundo ele, e a terceira temporada de Better Call Saul. “Comecei a ver Orange Is the New Black, mas achei o primeiro episódio desta temporada lento e repetitivo”, diz.

Aguinaldo é autor de sucessos como Tieta (1989) e Pedra sobre Pedra (1992) – ambas ao lado de Ana Maria Moretzsohn e Ricardo Linhares – e Senhora do Destino (2004), que está sendo reexibida durante as tardes no Vale a Pena Ver de Novo. Seu próximo trabalho na Globo será O Sétimo Guardião, que entra no ar na faixa das 9 em 2018.

Fonte: Veja


‘A Força do Querer’ acerta ao surfar em temas atuais


Temas correntes como transexualidade, empoderamento feminino, a onda do sereísmo, vício em jogos e desafio da Baleia Azul marcam pontos a favor da novela A Força do Querer, de Gloria Perez. Tudo, porém, é apresentado embalado em uma roupagem familiar ao público dos folhetins, com personagens carismáticos e histórias que caminham com rapidez.

É, possivelmente, a soma das duas coisas que contribui para que a trama tenha a maior audiência desde 2013 no horário das 9 da Globo. Confira três motivos que ajudam a explicar o sucesso de A Força do Querer:


Mocinhas não tão mocinhas - A trama é encabeçada por três mulheres: Ritinha (Isis Valverde), Bibi (Juliana Paes) e Jeiza (Paolla Oliveira). Jovens e bonitas, elas têm outra característica em comum que faz com que sejam bem aceitas pelo público – a força. Nenhuma delas, nem mesmo a sonhadora Ritinha, que se realiza ao se vestir como sereia, lança mão do velho e desgastado uniforme das mocinhas sofredoras de novela. Elas são empoderadas, para usar o termo atual que roda as redes sociais. Jeiza, a policial, é durona e vive quebrando tudo no ringue de MMA. Bibi será a “primeira-dama do crime” por causa dos negócios ilícitos de seu marido, Rubinho (Emilio Dantas). Ritinha é esperta e determinada e logo deve dar uma surra daquelas na vilã Irene (Débora Falabella), mostrando que sereia também sabe cair no tapa.


Merchan social sem exageros - Uma das marcas de Gloria Perez, o merchandising social não poderia deixar de aparecer na novela. Até agora, isso foi feito de maneira sensível e sem exageros. Ivana (Carol Duarte) está, aos poucos, se descobrindo transgênero. A personagem e a atriz que a interpreta são carismáticas e tudo está sendo construído lentamente, com muito cuidado. Outro tema social, o vício em jogos de Silvana (Lilia Cabral) é tratado ainda com mais sutileza, de maneira quase cômica. Ao que tudo indica, porém, a doença da personagem ainda vai complicar bastante sua vida, trazendo mais dívidas e problemas com o marido, Eurico (Humberto Martins). A ver como isso vai ser mostrado no folhetim.


Ritmo ágil à la Netflix - Com três protagonistas e outros núcleos importantes, há muita história para contar. E Gloria Perez vem equilibrando tudo isso com parcimônia, recompensando o público com capítulos recheados de acontecimentos e ganchos típicos de séries em streaming. Em questão de poucos dias, por exemplo, Rubinho, que fugiu da prisão nesta terça-feira com a ajuda de Bibi, vai se esconder em uma mansão de luxo, revelará à esposa que virou um personagem importante do tráfico de drogas e será capturado pela polícia. Em seguida, em capítulo da semana que vem, ele vai pedir que a mulher recupere quilos e mais quilos de droga que ele escondeu na favela – ela vai concordar e dar mais um passo rumo à transformação em Bibi Perigosa.

Fonte: Veja


Evaristo Costa pode deixar o "Jornal Hoje"


A permanência de Evaristo Costa na Globo é incerta. O apresentador do “Jornal Hoje” não teria planos de renovar seu contrato com a emissora carioca, que acaba daqui a dois meses.

O motivo? De acordo com o colunista Flávio Ricco, o jornalista alegou que pretende se dedicar a projetos pessoais nos próximos meses.

Há quem diga que Costa tirará um 'ano sabático' para morar fora do Brasil com a esposa, Amalia Stringhini, e as duas filhas, Antonella e Francesca. Só depois que retornar da viagem ele decidirá os rumos de sua carreira.

Ainda segundo a publicação, a Globo ainda não confirmou a saída de Evaristo, mas se reunirá com o jornalista na próxima semana para tentar convencê-lo a não deixar a emissora.

A decisão do profissional teria sido tratada internamente como surpreendente. Isso porque o âncora está à frente do noticiário vespertino desde 2004 e já entrou no esquema de substituição de Tadeu Schmidt no "Fantástico", no período de férias do apresentador.

Há quem diga que o nome de Rodrigo Bocardi é o mais cotado para substituir Evaristo.

Fonte: Famosidades


Simone e Simaria serão juradas no "The Voice Kids"


A cadeira dupla do "The Voice Kids", ocupada na edição anterior por Victor e Leo, agora será de Simone e Simaria. Com a mudança, as três posições de jurados está completa. Além das irmãs (que respondem juntas por uma cadeira) estão Claudia Leitte (que substituiu Ivete Sangalo) e Carlinhos Brown.

No início deste ano, Victor Chaves pediu afastamento do programa após surgirem denúncias de que ele teria agredido a sua mulher. O irmão Leo continuou no reality até o final, porém o clima não era mais o mesmo.

"Sou muito grata a Deus por essa oportunidade incrível em nossa carreira. Fazer parte de um programa tão lindo, como esse, é uma glória! Queremos agradecer a cada um, que acreditou na gente, no nosso talento, e que permitiu que fizéssemos parte do The Voice Kids. Nosso coração está pulando de alegria. Estamos prontas para assumir essa missão tão importante de avaliar o talento desses jovens lindos e talentosos. Não vai ser fácil não, mas estamos prontas", diz Simone ao site oficial do "The Voice Kids".

Com o novo time de jurados montado, a nova edição do programa deverá estrear no início de 2018, com apresentação de André Marques e Thalita Rebouças.

Fonte: UOL


Grazi Massafera fica morena para viver vilã


Grazi Massafera já começou o processo de caracterização da vilã Lívia, sua próxima personagem na novela "O outro lado do Paraíso". Depois de brilhar loiríssima em "A lei do amor', a atriz escureceu as madeixas e vai aparecer assim, morena, na trama de Walcyr Carrasco, que estreia em outubro, após o fim de "A força do querer". Ficou linda, não é mesmo?



Fonte: Jornal Extra


Letícia Colin é reservada na Globo


Letícia Colin tem feito sucesso em "Novo Mundo", novela das 18h da Globo, e não deve ter muita folga após o fim do projeto. Isso porque a atriz já está cotada para um novo trabalho na emissora.

Segundo o jornal "O Globo", a morena está reservada para a nova novela de João Emanuel Carneiro, na fila para a faixa das 21h do canal.

Vale lembrar que a trama foi adiantada, já que o canal fez uma troca e deixou a novela escrita por Aguinaldo Silva - prevista para estrear ano que vem - para depois. A mudança, aliás, tem movimentado os bastidores da Globo.

Muitos atores já estavam escalados para "O Sétimo Guardião", mas agora já estão disponíveis novamente por causa do adiamento.

Fonte: MSN


Ary Fontoura é assaltado no Rio


Ninguém está a salvo no Rio e nesta madrugada foi a vez de Ary Fontoura, de 84 anos, entrar para as estatísticas de violência da cidade. Ele e um amigo ficaram sob a mira de oito homens "fortemente armados", segundo suas palavras,  e passaram por momentos de horror na Avenida das Américas, quando seguiam para o Recreio, voltando de uma festa. "Eles eram oito, estavam de carro e nos fecharam na entrada de um viaduto pouco depois de uma da manhã", diz.

Ary diz que os bandidos eram "sádicos" e o trataram com deboche. Seu medo aumentou ainda mais quando um deles o reconheceu. "Foi horrível, mas eu disse que não era eu, que eu era parecido com o Ary Fontoura mas não era ele. Acho que ele acreditou, porque senão poderia ter sido até pior ".

O ator, que interpreta o ex-presidente Lula no filme sobre a Operação Lava-Jato, diz que o assalto foi "uma brutalidade, uma covardia". Levaram "tudo" dos dois, inclusive o carro, uma pickup Honda.

"A situação no Rio é caótica, não tem ninguém para nos proteger. Depois de tudo, fomos à delegacia. Estava vazia, escura, com só um policial que parecia assustado e com medo de alguém passar atirando, metralhar tudo, porque isso agora parece que virou moda".

Ary anda desiludido com o Rio. "De que adianta a cidade ser linda se você não pode sair de casa, tem que ficar enclausurado?" 

Fonte: O Globo


5 assuntos de "Tieta" que não passariam hoje


Já faz quase 30 anos que "Tieta" estreou no horário nobre, provocando e afrontando a família tradicional brasileira com uma protagonista fogosa e sensual e muitos personagens com pensamentos claramente retrógrados expostos sem meias palavras.

Adaptação da obra de Jorge Amado, a trama de Aguinaldo Silva, Ricardo Linhares e Ana Maria está no ar no Viva e é o maior sucesso da história do canal especializado em reprises.

Desde 1989, quando foi exibida pela primeira vez, o mundo mudou e muito do que é mostrado não passaria impune nos dias de hoje. Relembre cinco momentos em que a novela foi politicamente incorreta.


INCESTO - Não era só Perpétua (Joana Fomm) que não gostava da aproximação de Tieta (Betty Faria) com seu filho, Ricardo (Cássio Gabus Mendes): a relação entre tia e sobrinho foi um dos pontos polêmicos da novela e levou tempo até ser aceita pelos telespectadores e, muito provavelmente, não seria possível nos dias de hoje. O fato de o jovem ser um tímido seminarista tornou o tema ainda mais delicado.


NUDEZ – Cheia de ousadias e provocações, “Tieta” causou até na vinheta de abertura com os seios de Isadora Ribeiro à mostra. Na época houve polêmica, claro, mas mamilos se tornaram ainda mais polêmicos e são vetados inclusive nas redes sociais. A trama também revelou outros corpos, inclusive de homens, que é menos comum na nossa teledramaturgia: Cássio Gabus Mendes gravou duas sequências completamente nu.


EXPLORAÇÃO SEXUAL - Mesmo inexperiente, Imaculada (Luciana Braga) bem sabia que Artur da Tapitanga (Ary Fontoura) não era flor que se cheire: a rolinha mais empoderada de seu harém nunca deu chance para o prefeito de Santana do Agreste, a quem enganava constantemente para não lhe fazer favores sexuais em troca de casa e comida, como as demais. Apesar da aparência de menina púbere, a atriz tinha 26 anos na época.


FANATISMO RELIGIOSO - Beata por fora, recalcada por dentro, Perpétua (Joana Fomm) era a maior fiscal da moral e dos bons costumes, embora de santa não tivesse muita coisa. Tudo em nome da família. A mentora de Amorzinho (Lilia Cabral) e Cinira (Rosane Gofman) acreditava ter mais autoridade na paróquia que o padre Mariano (Claudio Corrêa e Castro). E a viúva tem um segredo nada casto, revelado no capítulo final.


MACHISMO SEM FILTRO - Assim que volta à cidade natal, Tieta é recebida por Bafo de Bode (Bemvindo Sequeira), o bêbado da cidade, que "elogia" a beleza da protagonista dizendo que ela "não é uma mulher, é uma plantação inteirinha de xibiu" (palavra usada para se referir ao órgão sexual feminino). Além disso, quenga é uma ofensa usada como vírgula na trama. Quem ousaria usar esse linguajar, mesmo que ficcional, em 2017?

Fonte: UOL

______

Ficamos por aqui, de olho na telinha.

Twitter: @bysilver_br
Oferecimento:
Arte Final Gráfica (62) 3225-2847
Goiânia Hostel – Albergue – www.goianiahostel.com

-